{ Abril }

001a

 

não me mate ainda que não me faça viver

nem venha depor aos meus pés esplendorosas aves mortas

 

saiba que tenho o desejo de morrer na manhã de olhos abertos à luz

 

além do espasmo fervente das veias do sexo e da semente derramada,

depois da fogueira das bocas e da odorífera cegueira da língua

– o desejo incandescente que transpira da pele, a líquida pele-suor

 

não me mate para que eu possa morrer na perfeição pura da sua face,

na regra-acaso de ouro que desenhou a proporção que existe entre os olhos e as sobrancelhas

e os lábios férteis,

 

na luz que doura os seus cabelos, sem a figura de estilo do fogo, só o ouro

dessa noite na minha face, sob os seus cabelos, respirando

a pele do seu pescoço ao toque da minha boca

 

é quase manhã

2016

*

Imagem: Albrecht Dürer [1471-1528], Pássaro morto, 1512, Viena, Graphische Sammlung Albertina.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s