eroticon XIII: na fogueira

Venus_1979

 

o sexo endurece na manhã enquanto o corpo me estremece pela cabeça na fome
de me queimar em ti de lançar fogo à boca quando beijar a tua boca quando te morder os ombros quando te lamber as axilas e os braços quando te respirar o pescoço
quando te aprisionar pelo torso com as mãos e os teus seios altivos ondularem no momento em que abandones a cabeça e os teus lábios de carne ardente se abram mais para respirares até ao centro molhado da tua essência onde
abrirei a boca e a língua revestindo lábios e língua do teu visco translúcido e violento bebendo-te o gosto até à raiz da língua
para te comer na boca ao mesmo tempo que te como na estocada dura de um animalesco abandono até à base do sexo até ao fim
definido pela força possuidora das minhas mãos nos teus ombros
sequioso por mais e mais dor no movimento indomado húmido e ardente de carne e músculos contraídos em que nos comemos até ao abraço que sobe da extinção das forças

queimámo-nos nus debaixo da pele
ardemos nus à superfície da pele

estamos na fogueira

manhã de 27 de Maio de 2016

 

*

Fotografia: Manuel Álvarez Bravo (1902-2002), Venus, 1979, reproduzida de http://www.manuelalvarezbravo.org

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s