fado para o Fado Vitória

 

dl 082 - Cópia

 

trago no peito um poço
uma árvore ao invés
de raiz voltada ao sol
são as veias de um destroço
o dia morto das marés
no centro do girassol

eus de mim noite quebrada
rubro vinho sombra nua
do meu coração perdido
dobro o mundo na enseada
que verte o sangue à lua
daquele troço esquecido

sem deuses nem razão
sem saudades nem aquém
que me redimam o passado
nesse fundo onde não há fundo
há uma terra de ninguém
feita de rosas sangue e fado

*

Fotografia: guitarra, 2010.

fado para o Fado Cravo

 

copia-de-dl-088

 

era o sol cego do meio-dia

e nas minhas mãos mordia

o cão vadio da tua ausência.

rasgam as mãos esses dentes

e fora das veias dormentes

a noite ensopa a minha carência

 

era a lua naquele céu falso

e o frio da noite o cadafalso,

a faca no coração gelado.

eu queria só o teu rosto

o fogo do meu desgosto

nos contrários do fado

 

era uma estrela sozinha

contra o sol, uma luzinha,

firme na poeira do universo.

falta desse amor agora

a face destruída da demora

o tempo caído e disperso.

 

*

Fotografia: guitarra, 2010.