vermelho-púrpura

DSC03696
Fotografia: Jorge Muchagato, 27 de Setembro de 2017

 

 

Acredite que vi gente morrer porque era maior que o corpo
tenho a impressão que o corpo não sabe o que tem dentro

António Amaral Tavares, «Coimbra, 16 de Agosto de 2011», in Movimento de Terras, s.l. [Lisboa], Língua Morta, 2016, p. 89.

 

 

esta é a hora da lavoura, as palavras agitam-se como os espermatozóides na senda da vida,
a casa fica alagada em sombra até às convulsões do afogamento                           a noite
o pior é a noite, o frio do erro-ser, vagando no risco
de uma dada liberdade mortal e tão antiga como a ferrugem que chove
da corrosão do ferro da voz que me condenou à culpa de ser
tão livre como a morte e a recusa das âncoras
esta é a hora da terra e dos ossos

a hora nodosa do reflexo brilhante da lâmpada acesa no verniz das ombreiras
de madeira negra, do silêncio tecido até ao absoluto do não-saber do sono         a noite
das escarpas sedutoras da morte envolta numa doce neblina sem pontos
de orientação, sem volume nem perspectiva; um excitante nevoeiro
que não é uma nuvem ao contrário     esta é a vala do nada, o lugar centrípeto de tudo

prometo-me os medicamentos que me cegam a angústia numa arca
de escuridão e de sossego falsos,
mas a vingança faz vencer as variações tonais em relação ao trópico

o vermelho-púrpura que une as palavras e a safra na língua          a súmula do sangue

Anúncios

sótão

DSC03680

 

não é possível escrever do lado do verniz
nem manchar a sombra das portas quando a noite adocica o medo

joguei-me ao precipício, joguei aos dados as veias da morte,
as veias da morte e do riso onde apodrecem navios e morrem as raízes do trespasse

os dias apuram a morte de cada vez que há sol e o mar expurga garrafas de vidro
à beira da sombra dos pinheiros bravios torcidos pelo vento na sua direcção contrária
quando o formão corta o ar e abre a morte e o riso revelando o astro secreto
no centro do girassol onde roda o sótão depressivo e um singular vinho rubro

um mapa de sangue, estilhaços da luz, ramos desirmanados da razão
– bebo o declive obscuro das árvores selvagens na areia, antes da indecisão do mar

nesta enseada o mundo se dobra ao gume ensanguentado das palavras
no esmalte dos dentes, no rosto e nas mandíbulas do vermelho da ausência

 

*

Fotografia: Jorge Muchagato, 25 de Setembro de 2017

 

relâmpago de Verão

DSC02482 - Cópia

 

Se todo o tempo é eternamente presente
Todo o tempo é irredimível.

T. S. Eliot, Quatro Quartetos, 1943*

 

 

por que razão na tua voz, não sei, há um traço
do meu destino; e a noite da mesma forma não me chama
porque a tua voz, lembro-a, me redimiu de um antigo cansaço
e o teu corpo me guardou no abandono da cama

engano-me, e penso, em momentos certos, que voltarás: o teu corpo existe
nos lençóis onde não vingou a intimidade última, indefesa, do sono;
a minha pele persiste
nesse relâmpago de Verão imune a toda a forma de Outono

 

 

* T. S. Eliot (1888-1965), «Quatro Quartetos», (1943), tradução de Gualter Cunha, in Poemas Escolhidos, Lisboa, Relógio d’Água, 2016, p. 151.

 

*

Fotografia: Jorge Muchagato, 2017

eroticon XXIX: em cada manhã vítrea que passa no cânone do mundo

nas singulares albas que a terra consuma no cânone do mundo, em cada noite
que a distância aflige a mútua pele reclamada, a expectante manhã revenida fica
neste viver a par que dobra o tempo – sobrepõem-se as horas
de acordar e de dormir, o chá, as imagens, as espadas de São Jorge, a sua projecção
solar sobre as páginas do caderno-devir, penso
: é bom ter sobrevivido

pormenores possíveis de buril no ácido da longitude,
a utopia de uma conjura do universo cresce
dos fluídos da voz

em cada manhã vítrea que passa no cânone do mundo
o reflexo

 

DSC03067 - Cópia
Fotografia: Jorge Muchagato, 2017

 

eroticon XXVIII: para o lado da terra e do ponto de fuga

quando a realidade se encastoar na coincidência última dos nossos corpos
e transpusermos, para o lado da terra e do ponto de fuga, o contorno do precipício,
chegaremos ao ser, ao magma do silêncio, aos ossos das palavras
encarnados

 

DSC03656
Ernst Ludwig Kirchner [1880-1938], Liebespaar VI [Os Amantes VI], 1911, litografia, 16,8 x 21,9 cm, Hamburgo, Hauswedell & Nolte

eroticon XXVII: estrada, dádiva e morte

toma-me inteiro
: veias e artérias sinuosas assaltadas de sangue; pele, sexo e mãos transidos; pés, músculos e olhos sobrevindos de uma palavra; boca, voz e silêncio sequiosos dos poros do lume; instinto e pensamento;
intuição, obscuridade e sonhos desavindos de utopias; luz, impaciência e melancolia trespassados de labirinto; visível e invisível
toma-me inteiro
: carne e tecidos do teu destino; mas toma-me na desordenança do risco do precipício onde
a estrada, a dádiva e a morte são o princípio e o fim – se eu naufragar no vazio mudo de eco, do meu corpo crescerão raízes febris de vertigem, mas do teu corpo a ave
toma-me inteiro eu-teu, esse teu voo nu e livre de desespero, de confusão e de frio

habitas-me, sem eterno nem retorno; és-me a pele, a carne contracta do prazer e da dor, da expectativa e do sofrimento; o movimento e a perspectiva; língua, crua devassidão, palavras e anima densidade; temeridade e razão;
certeza veníflua e desejo, fogo e escuridão; o que sei e o que não sei

toma-me inteiro
: a voz denuncia-me, veredicto interior e consanguíneo, carnário, sedento, na manhã e no umbral da noite

caminhamos para o precipício, dizes-me – é a verdade:
subir a pedra, vencer-lhe o perfil que nos sonega o ar, alcançar a terra

 

DSC03579
Fotografia: Jorge Muchagato, 2017

eroticon XXVI: da vida tangível

traves de cinza sustêm o halo da terra, vaga névoa, é a morte que sobe e volteia
nos trilhos invisíveis  e contraditórios, que ascendem das folhas das árvores, das ervas,
a morte e o frio
condenam o pó quente da estrada à humidade onde o sol fenece; a morte exumada da areia,
a luz desfeita do horizonte

teço nos dedos, hoje, os ínfimos detalhes da melancolia da tua falta que nunca chegou
ao ser da falta; hoje, manhã – criámos uma mitologia da manhã, uma mitologia da noite
ao mesmo tempo que nos matávamos negando o retorno
da carne viva e recíproca

(o teu olhar exala a verdade que as palavras ocultam ou adiam)

cultuamos a manhã, mas nunca existiu qualquer manhã,
persistimos na fábula, numa história bela e elevada, prometida e repleta de omissões, e morta

iludo o tempo e a geografia numa guerra infrutuosa, destruo-me enviando-te a intimidade da minha face,
na cama, turgida da travessia do sono, e de entre os despojos,
quando a luz, descendo,
começar a tactear a noite e a reflectir-se nas lombadas dos livros, a tua falta trespassa o ocaso
nas espadas de São Jorge que estão sobre a mesa de madeira negra onde escrevo o meu desejo de ti

eu sei a realidade que bebo a cada íntima fracção das horas encobertas, a devastação que ergo,
a tua existência descarnada – e não
não me basta a poesia do sangue nem da respiração impregnada de ti até ao chão do difragma

a manhã é a repetição estéril de uma palavra

o que somos é difuso e repleto de aspas – tudo
mito e medo, sagacidade; todavia a lâmina
da distância cessou

espero-te numa espécie de só
minha condição humana; de outro modo tivessem que me drenar o sangue como se dragam os rios e as lagoas

tenho dias em que a tua falta me oprime o peito, um bloco de mármore tosco, arrancado à súmula da terra;
uma pedra imune ao porvir, veios cinzentos e violáceos, perfeita
imóvel e desprovida de sofrimento

da realidade não temi a taça efabulada e bebi,
tomei a faca para a incisão no pulso e a catarse do sangue, o trágico prazer do sangue próprio
e sei que nem a taça nem o pulso auguram uma forma plausível de regresso

as palavras do meu combate ao tempo, à geografia e às circunstâncias impassíveis aguardam
a derrota,
estão húmidas de semente derramada, inútil

a sombra da matéria dos mitos orienta-se para a destruição inelutável – a condição
da vida tangível

 

DSC02992 - Cópia
Fotografia: Espadas de São Jorge (Sansevieria trifasciata), Jorge Muchagato, 2017

 

terra morta

DSC03625 - Cópia
Fotografia: Jorge Muchagato, 17 de Setembro de 2017

 

 

os dias caem mais cedo,
o céu, que não existe, morre na brevidade de expectativas agonizantes,
a benevolência do primeiro frio é falsa

(esquece-me, mas não como se eu tivesse morrido; se me esqueceres
nessa fronteira eu continuarei a existir; não.)

quando levantamos o rosto é tudo uma ruína, um inevitável regresso
à devastação

(não.)

eroticon XXV: ser, primeiro gesto, primeiro frio

balthus_les beaux jours
Balthasar Klossowski de Rola, dito Balthus [1908-2001], Les Beaux Jours, 1944-1946, óleo sobre tela, 140 x 199 cm, Washington, Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Smithonian Institution, The Joseph H. Hirshhorn Foundation

 

vem
: esperaram tanto os meus braços para esse primeiro gesto
de perfeita coincidência dos nossos corpos – o abraço onde a manhã
começará, a primeira
intimidade dos nossos sentidos, a primeira linguagem real
na confirmação do olhar, no sorriso da boca, no consolo da pele, na mudez viva das mãos,
um silêncio puro, completo, absolutamente expectante
vem
eu darei ao teu caos inexplicável, ao teu frio sem razão, o meu calor inteiro
: talvez possamos salvar-nos juntos, beijar feridas fora da ambição da cura
– somente cuidá-las no conhecimento da pele, pode suceder
que as esqueçamos ou que elas se exilem
dos nossos dias e noites, da luz do ocaso que inunda esta casa;
acenderemos a lareira quando chegar o primeiro frio, dormiremos abraçados nus à beira do fogo
vem
para que possamos ser corpo

eroticon XXIV: transfiguração

J52ManRayTrees
Fotografia: Man Ray [1890-1976], 1930

 

no cabo de você ter chegado – todo o tempo transfigurado em manhã;
quero o seu abraço, a força do seu corpo e dos seus braços enlaçando-me
para que a matéria da sua presença sob a minha pele
passe a carne, as veias, as artérias, e se una ao meu sangue,
alcance a língua – quero o gosto de si e da sua pele

você está no movimento sobrevivente do meu peito, na fonte
da respiração que o dilata e o torna a afogar e eu não sei explicar,
nem traduzir esta realidade sob-pele;
não alcanço mais do que escrever-lhe que você está
além da poesia, esta minha vingança sobre a sua falta

você dói-me quando chegam as horas do uno,
a noite antes da travessia, a luz da manhã, o tumulto do desejo e a sua confirmação
– o calor, o cheiro do meu próprio sexo, o suor

a intimidade da água do banho me lavava o corpo;
agora me descobre a nudez, a desperta, a abençoa de profanidade
até que por fim você

 

8 de Abril de 2016